Forsetes responde!

Forsetes responde!

Olá novamente caros leitores e seguidores! Esse presente artigo representa as respostas das publicadoras a uma matéria que escrevemos há alguns dias : “Veja os principais feedbacks de nossa pesquisa” . Caso não tenham visto, cliquem no link e contextualizem-se. Nossa intenção agora é apresentá-los as respostas que nos foram enviadas pelas empresas que responderam nosso email, onde formulamos um questionário baseado na matéria anterior para que nos fosse esclarecido tudo o que foi de mais recorrente em nossos feedbacks.

Anteriormente dissemos que estaríamos mandando emails para certas publicadoras e esperamos o prazo de uma semana para recebermos alguma resposta das mesmas. No presente momento, somente as publicadoras Level Up e Playspot nos retornou alguma resposta à nosso email, porém apenas a Level Up respondeu nosso questionário.

Abaixo você pode conferir a captura de tela da atual situação dos emails. Usando a extensão do Google Chrome “MailTrack” conseguimos visualizar quais emails foram abertos pelas empresas.

Obs: Uma flecha verde: Enviado e recebido ; Duas flechas: email aberto e lido. Texto escrito “Inbox” afrente do email significa que esse email foi respondido.

email

Enquanto ainda esperamos uma resposta por parte da PlaySpot e de todas as outras empresas, conseguimos em contato com a Level Up o email pessoal do Coordenador de Mídias Sociais conhecido como “Forsetes”, que pôde nos responder às perguntas da forma mais clara possível, pois essa é sua área. Em respeito a privacidade do Forsetes, decidimos não mostrar seu email pessoal.

As seguintes perguntas são as mesmas que mandamos para todas as outras empresas (com exceção da primeira que é referente a um jogo da Level Up), confira as repostas do Forsetes.

1 – Em nossa recente pesquisa, recebemos feedbacks interessantes a respeito do serviço do jogo Smite distribuído pro vocês e até buscamos saber um pouco mais com a comunidade “Smite Players”. Poderiam comentar um pouco a respeito da atual situação de todo serviço de Smite no Brasil?

Forsetes: O Smite foi o primeiro jogo que lançamos após uma mudança de posicionamento e de valores da própria Level Up. Antes de anunciarmos já conhecíamos a comunidade brasileira ativa (e muito engajada) do jogo. Desde o anúncio da vinda do jogo pro Brasil quase um ano atrás até o momento (e manteremos assim pro futuro), estamos em contato próximo com os jogadores e sendo sempre transparentes com tudo que acontece no jogo (coisas boas e ruins). Todas as equipes da Level Up  estão empenhadas a proporcionar uma ótima experiência para os nossos jogadores (de todos os nossos jogos) e por isto temos procedimentos internos para garantir isto aos nossos jogadores. Nem sempre conseguimos fazer de uma maneira rápida como gostaríamos de fazer, mas nos esforçamos para sempre fazer o melhor pensando no jogador (pois somos todos jogadores, então precisamos falar, seja por uma resposta num ticket, no facebook ou no fórum como nós gostaríamos de ser atendidos) e também estamos abertos a todo feedback que a comunidade nos envia para cada vez melhorar mais.

2 – Uma das preocupações recorrentes da comunidade são jogos que dependem muito do sistema de Cash. Fale-nos um pouco a respeito de até onde a publicadora tem parte no sistema de cash e como ela trata o sistema?

Forsetes: Como publicadora, a Level Up não faz alteração no sistema de Cash de nenhum dos jogos dela, o sistema e valores são enviados pelas próprias desenvolvedoras. Como publicadora, tentamos negociar valores que são repassados para as desenvolvedoras como, por exemplo, negociamos o valor do dólar a ser repassado a eles, principalmente nas épocas de variação cambial, conseguimos manter o valor do CASH dos jogos sem a necessidade de alterar. Outro exemplo, quando trouxemos o Smite para o Brasil, um ponto que foi negociado é trazer os valores em Gemas (Cash do jogo) 20% mais barato que o próprio servidor da desenvolvedora nos EUA. Lógico, que depende muito de cada desenvolvedora/jogo, mas nós estamos sempre fazer o que é o melhor para os nossos jogadores.

3 – Outra preocupação relevante é o sistema anti-hack. O que vocês tem a nos dizer a respeito de como a publicadora trata esse sistema?

Forsetes: Este é um ponto crítico e que nos preocupamos muito aqui na Level Up, pois é uma eterna luta mas que nunca desistiremos dela contra os usuários de hacks. Temos uma equipe responsável por analisar tudo que nos é reportado e encaminhar para as desenvolvedoras e para as empresas que desenvolvem os sistemas anti-hacks (Gameguard, Hackshield etc). Além disto, temos uma equipe de desenvolvimento que consegue criar algumas defesas, como por exemplo, quando um jogador de nossos FPS recebe um banimento por utilizar um hack no jogo, além da punição da conta nós fazemos um bloqueio do hardware dele.

4 – O suporte aos jogadores é algo essencial a qualquer empresa publicadora, previsto por lei. Poderiam nos dizer qual a atual situação do suporte da Level Up? Os fãs dizem muito a respeito do suporte não ter atendido a a muitas das ocorrências no passado, mas se a situação é diferente agora, o que mudou?

Forsetes: Esta é uma das mudanças que informei antes da mudança da Level Up =) Temos plena consciência que muitas atitudes e ações tomadas no passado não foram decisões corretas. No passado a Level Up era a filial da Level Up filipina, que tinha algumas restrições. A 3 anos atrás, a Level Up deixou de fazer parte da Level Up filipina  e fomos adquiridos pela Tencent, que é a maior publicadora de jogos da China, e ela nos deu muitas orientações com toda a experiência que eles possuem além de uma maior liberdade para fazer o que acharmos melhor para o público brasileiro, e com isso tivemos diversas mudanças, e a melhor delas (ou uma das melhores) foi ter mais liberdade de falar com a comunidade e ser sempre transparente. Quem não ficava irritado com aquela manutenção extraordinária no servidor no meio do final de semana com o clássico “pedimos desculpas pelo inconveniente e agradecemos a compreensão”? Muitas vezes essas manutenções não tinha nada a ver com o jogo e sim o datacenter, por exemplo, que precisava fechar por uns minutos para a manutenção elétrica deles, e hoje falamos claramente o que é, qual o tempo do procedimento etc. Até em casos extremos, temos um plano de comunicação de informar todo passo que estamos fazendo e os próximos para deixar a comunidade ciente de tudo. As equipes dos jogos estão mais presentes nos fóruns (mudamos a plataforma, alteramos as regras para deixa-las mais simplificadas e não tem a necessidade de ter CASH creditado para se registrar/logar no fórum, basta atingir um determinado nível no jogo) e inclusive vamos expandir para pessoas de outras áreas da empresa participarem também, temos uma equipe que responde as dúvidas mais comuns além de interagir principalmente no facebook, não temos mais aquela Central de Suporte “robótica”, os nossos analistas respondem os tickets com uma linguagem mais informal os jogadores além de manter um procedimento para os tickets serem respondidos com toda a informação necessária de maneira rápida, mas alguns tickets necessitamos checar frequentemente com a própria desenvolvedora, o que pode levar um pouco mais de tempo mas ficamos cobrando eles sempre =)

Sabemos que muitos jogadores tem uma rejeição perante a Level Up (assim como muitos tem uma visão muito positiva), mas posso garantir que hoje a Level Up não é mais a empresa “lenta de anos atrás, e sim uma empresa que escuta seus jogadores e se comunica de forma transparente e clara em todos os canais que temos.

5 – Comentem um pouco a respeito da interação entre Publicadora x Desenvolvedora e da interação Publicadora x Comunidade?

Forsetes: Interação entre publicadora e desenvolvedora na grande maioria das vezes é feita de forma tranquila, feita via e-mail/Skype, algumas vezes a equipe responsável pelo jogo no Brasil da desenvolvedora vem nos visitar e fazer algumas reuniões, assim como algumas de nossas equipes fazem a mesma coisa indo para as sedes das desenvolvedoras e/ou até para fazer um treinamento específico. Mas nem tudo são flores, às vezes há alguns atritos entre as equipes e até algumas vezes as diretorias tem de intervir, mas posso afirmar que o foco principal quando estas brigas acontecem é o que é o melhor para nossos jogadores, aliás, até os melhores relacionamentos tem algumas discussões! Como a Level Up está a muito tempo no mercado, ela é bem conhecida pelas desenvolvedoras no exterior que sempre nos procuram para testar seus jogos em desenvolvimento (são mais de 200 jogos testados por ano!), pois além de testar, mandamos um relatório bem detalhado com prós e contras e algumas informações bem técnicas que as desenvolvedoras sempre utilizam e sempre retornam com outros testes ou com melhorias que apontamos =).

Hoje, a relação publicadora X Comunidade está bem tranquila, como citei acima, estamos bem presentes nas comunidades e também tentamos fazer streams de todos os jogadores onde aproveitamos para responder dúvidas dos jogadores. O feedback da comunidade é extremamente importante, até usarei o Smite de exemplo: Quando lançamos muitos jogadores falaram sobre as dublagens e que poderiam mudar, então hoje tem uma área no fórum específica pros jogadores falarem sobre a dublagem dos deuses e quando vemos a necessidade, fazemos uma redublagem de acordo com o que a comunidade sugeriu!

6 – Como seria se a Level Up distribuísse o Tree of Savior no Brasil?

Forsetes: Estamos olhando com muito carinho todo o trabalho da equipe da IMC com o Tree of Savior com o Hakkyu Kim e estamos analisando internamente aqui na empresa, assim como outras publicadoras devem estar neste mesmo processo. São necessárias muitas conversas, negociações entre ambas as partes, mas vamos dizer que no caso a Level Up trouxesse o jogo ao Brasil precisaríamos fazer muitas ações em cima do jogo, vou colocar algumas abaixo, mas como isto demanda mais planejamento (MKT e negociações com a própria desenvolvedora):

– Comunidades: incentivar nossa comunidade a participar ativamente do jogo, colhendo todos os pedidos e repassando para a desenvolvedora,

– Fomentar o jogo limpo para a comunidade, e desde o começo manter o jogo sem usuários de hacks/bots

– Não queremos depender somente da ferramenta de proteção do jogo e/ou uma ferramenta de terceiro, queremos ter uma ferramenta própria de proteção, além de sempre cobrar medidas eficazes de proteção da desenvolvedora,

– Ajudar as comunidades e geradores de conteúdo com mais informações para manter a base deles engajada e atualizada,

– Se as aplicações do jogo deixar, faríamos um database (isto é algo que somente com o jogo é possível avaliar se é possível),

– Ações de MKT para atrair novos jogadores do Tree of Savior.

Isto é o que posso passar neste momento pois são coisas possíveis de serem feitas, caso um dia o jogo viesse pela Level Up. Há mais coisas, porém quando fechamos um jogo é feito um plano com muito mais ações e mais detalhados, e cada jogo as ações tomadas são diferentes =)

7 – Considerando os jogadores brasileiros, qual a sua opinião sobre jogos publicados nacionalmente me relação aos publicados internacionalmente?

Forsetes: O jogo vir por uma publicadora nacional é muito importante para os jogadores brasileiros, principalmente quando é um jogo que a latência interfere muito no gameplay (o que é um caso do Tree of Savior). Uma publicadora localizará o jogo, ou seja o servidor estará no Brasil, então a latência/ping será muito menor, traduzirá o jogo, suporte em português (SAC, comunidades), facilidade para comprar o cash do jogo sem a necessidade de um cartão internacional (no caso da Level Up há pontos de revenda no país inteiro), possibilidade de ter um conteúdo para o brasileiro (Brasilis em Ragnarök / Vamana Cangaceiro no Smite etc), o jogador brasileiro pode (e deve!) falar em português no chat do jogo. Atualmente o único ponto positivo de um servidor internacional para o jogador é que atualizações/expansões chegam primeiro nos servidores internacionais (os bugs também chegam antes por lá!), mas algumas coisas por exemplo, já conseguimos trazer primeiro pro Brasil (ou simultâneo com outros servidores do mundo) do que em outros servidores como o personagem Zero do Grand Chase (simultâneo com outros servidores) ou o 1º mapa (Ponta de Lança) da operação Cold Peak do Warface que fomos o primeiro servidor do mundo a liberar!

E isso conclui nosso questionário. Faremos outras matérias assim de acordo com as empresas que nos responderem.

 

Sobre admin

[fbcomments]

6 comentários

  1. Espero mesmo q tenham mudado, pois o hype ta grande, e qto mais cedo o jogo vier pro Brasil melhor… N existe melhor publicadora no Brasil, se eles fizerem um serviço no nv do smite q realmente todas as pessoas estão gostando e estão surpresas, espero sim q TOS venha pela lv up, e que eles possam fazer uma boa prestação de serviço.

  2. Eu não sei o que dizer com relação à isso. Eu não vou levar a entrevista em consideração porque, desde que tinha uns 10 anos de idade até hoje, que tenho 22, vi muita coisa por parte da LUG. Não jogo smite, até porque eu prefiro jogar League of Legends. (Na minha opinião é melhor jogar um jogo que a própria desenvolvedora distribui do que ter uma distribuidora no meio) Porém, eu joguei vários jogos da LUG, como PW, Grand Chase e Ragnarok. Eu cheguei a experimentar um pouco do Elsword, mas o servidor era muito horrível e eu caía toda hora. Logo desisti. Grand Chase, apesar de ter tido toda aquela propaganda e esforço para manterem o jogo no Brasil, foi um dos piores administrados. Eu joguei desde a season 1, e, posso dizer, o jogo era LOTADO de hack. Foi assim até o final da season 2 mais ou menos. Dps disso o jogo se tornou tão óbvio e fácil que a incidência de hack diminuiu, e foi só por isso também. Os GMs quase nunca apareciam, eles eram mais frequentes na season 1 e 2. Depois disso, sumiram. Só apareciam para evento de PVP, só vi um GM catando caso de hack uma única vez para nunca mais. Da season 3 em diante o jogo virou um poço de bug, manutenções prolongadas e alterações ridículas que nada tinham haver com o original. Alteravam nomes de personagens, jogavam itens vendidos separadamente em pacotes para sermos forçados a comprar TODO o pacote, enfim, era horrível. Uma manutenção podia chegar a durar um dia inteiro, e somente para adicionar um item ou pacote no jogo. Ragnarok afundou em bots, e aquele servidor Thor eu não cheguei a jogar, graças, mas todo mundo que fala dele fala muito mal. ROPs foi o fim. Ouvi falar que desequilibrou e muito o jogo, e pelo que vi, tem abuso por parte dos players. Nunca em toda história do rag tinha ouvido falar de players ameaçando outros players e atrapalhando seus ups (pensei que troll fosse exclusividade de certos jogos =~), e pior que isso foi recente. Me pergunto como deve estar a comunidade do Ragnarok hoje. Se for isso que ouvi, o jogo já teve uma época melhor. PW foi uma vergonha. MUITO MAL TRADUZIDO, meu deus, até se fizessem tradução google seria melhor! Toda hora via npcs falando em coreano, era ridículo. Além disso, novamente, muita incidência de bots. Por esses e vários outros motivos fico com um pé atrás com relação à LUG. Como alguém aí dos comentários falou, administrar um MOBA é diferente de administrar um RPG. Mas se não tiver jeito, torço pelo melhor para não destruírem o Tree of Savior. Na minha opinião, mesmo que a LUG tenha crescido, ela primeiro deve melhorar a equipe de SEUS OUTROS jogos antes de pensar em trazer o Tree of Savior. Se eles não dispõem nem de tradutores que façam seu trabalho direito e pessoas que façam as manutenções, quem dirá administrar mais um jogo. Pra mim o dinheiro tá falando mais alto e eles estão trazendo muitos jogos pro Brasil sem ter uma equipe que possa administrar direito cada um dos jogos.

  3. Era uma vez um sucessor de ragnarok, caiu na mão de uma das piores publicadoras do Brasil, bom… vou jogar no servidor americano então.

  4. Mudou mesmo? –> http://sites.levelupgames.com.br/forum/ragnarok/attachment.php?attachmentid=6170&d=1429898526

    O fórum da lug está recheado com tópicos de pessoas reportando bot, hackers e até mesmo pessoas zoando a lug dizendo que usam os programas. A maioria dos fóruns está completamente abandonada pela empresa.

    Sei não em, ao meu ver está pior que antes.

  5. A level up era uma empresa pra ter se dado bem aqui no Brasil, Ragnarok foi o melhor MMORPG que já joguei, até hoje não consigo ter aquela “magia” com outros MMO’s, lembro que no começo a Level Up era muito boa, naquela época internet banda larga e computadores não eram tão baratos como é hoje em dia, então a Level Up disponibilizava o CD de graça do jogo, era só fazer um cadastro e recebia em casa pelo correio, mas conforme foi passando o tempo não sei o que aconteceu… eles começaram a largar os jogadores ou querer lucrar demais, ai veio revistinhas, o jogo não tinha suporte, eram hacks dominando o servidor… depois quando chegou os rops, eles enterraram o Ragnarok de vez… de la pra cá nunca mais joguei nenhum jogos deles, espero que tenham mudado mesmo, porque só tive decepções na minha época de LUG!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*