Veja os principais feedbacks de nossa pesquisa

Veja os principais feedbacks de nossa pesquisa

Olá caros leitores e seguidores! O presente artigo dará continuidade a uma matéria que escrevemos há alguns dias a respeito do tópico: “Vantagens e Desvantagens de se ter um servidor nacional”. Caso não tenham visto, cliquem no link abaixo e contextualizem-se. Nossa intenção é prosseguir com este assunto ressaltando os feedbacks da comunidade e aprofundando nossa pesquisa.

Discussão: Servidores nacionais ou internacionais?

O nosso foco agora é levar para as publicadoras brasileiras o feedback obtido na matéria da comunidade, para que assim eles possam apresentar propostas para a melhoria de tais problemas. A ideia é apresentar às publicadoras um questionário baseado nas principais reclamações e sugestões aqui presentes, para ouvir o que elas têm a dizer sobre como poderão lidar com tais problemas caso venham a publicar o Tree of Savior no Brasil.

As empresas em questão são as que detém a maioria dos jogos localizados no Brasil. Além disso, usamos como critério a presença destas nas redes sociais, o que classifica comunicação com sua comunidade. Tentamos encontrar outras empresas além das citadas ao final da matéria, mas algumas delas nem sequer deixaram resquícios, como a Gamemax, onde não pudemos nem ao menos encontrar o site da publicadora.

Deixaremos em aberto a maneira que as empresas responderão às nossas perguntas. A nossa expectativa é que nos surpreendam em como abordar a chegada de Tree of Savior no Brasil.

ATENÇÃO: Essa postagem possui conteúdo extenso e requer alguns minutos de sua atenção, caro leitor. É de extrema importância para nós todas as opiniões que forem dadas a respeito deste artigo com base na leitura completa do mesmo.

Iremos aqui ressaltar o que foi mais recorrente em relação a críticas e comentários sobre a comparação que fizemos entre distribuição nacional e internacional:

Smite é elogiadoJogadores de Smite elogiam o serviço atual do game no Brasil

Essa parte decidimos colocar primeiro pois fomos surpreendidos por esse feedback dos seguidores. Nós da ToSBR estávamos atrás de comentários mistos que expõem principalmente as preocupações e as recomendações dos seguidores e nos deparamos com um número interessante de pessoas que comentaram a respeito de estarem gostando do serviço que está sendo oferecido de Smite aqui no Brasil (Publicado pela Level Up).

Para entendermos melhor o que isso significa, buscamos contato com a página Smite Players e eles felizmente aceitaram em comentar um pouco a respeito.

Segundo eles, Smite está sendo alvo de elogios por conta inúmeros conteúdos que a Hi-Rez em parceria com a Level Up estão trazendo, como a nova “skin” do deus Vamana Cangaceiro totalmente inspirado na cultura brasileira entre outras skins também inspiradas em nossa cultura, enriquecendo assim o amor e atenção que ambas empresas estão tendo com seu público. Smite e mais jogos tiveram também conteúdos extras especialmente brasileiros por conta do movimento “Long Ls2e the Chase”, que comemora o fechamento súbito do jogo “Grand Chase”, o que comoveu grande parte de seus jogadores.

Além disso, nos foi dito que a Hi-Rez está comprometida com qualquer que seja o servidor a trazer primordialmente a qualidade, não dando todos os holofotes aos lucros e sim à diversão dos jogadores. Por conta disso, todos os jogadores tem as chances de ganhar 50 gemas (moeda especial do jogo) todas as semanas ao completarem seu “attendance” para gastarem com o que bem entenderem e ainda mais que o jogo constantemente passa por limpezas e punições de jogadores que “intoxicam” o jogo, seja por usarem hacks ou serem outro tipo de empecilho.

Por fim, eles completaram dizendo que a Hi-Rez está dando uma atenção especial para o Brasil e que é uma empresa comunicativa e atenciosa.

Se vocês são jogadores de Smite BR, sintam-se livres para comentar o que vocês também estão achando do serviço do jogo aqui em nossas terras aqui em baixo na seção de comentários!

Comentários mistos Comentários mistos a respeito da própria IMC Games publicar o game, mas a maioria aparentemente prefere comentar sobre publicadoras

Ao que tudo indica, a ideia e esperança de que a própria empresa IMC Games publique Tree of Savior no Brasil permanece, porém, não sendo o tipo de comentário que mais prevaleceu, como já tínhamos proposto no artigo. Por mais que a própria IMC trazer o jogo para esse país possa parecer uma boa ideia, existem alguns pontos que valem a pena serem citados, assim como comentamos nessa publicação. Leia um trecho do artigo:

“escolher a IMC Games pra publicar o jogo TALVEZ seja um erro. Eles não conhecem nosso mercado, não conhecem nossa cultura, e talvez até não terão apoio financeiro de nenhuma empresa no começo do serviço de Tree of Savior em nosso país e isso PODE (nao é uma afirmação) acarretar algum tipo de risco pra Tree of Savior”

(Leia esse artigo aqui)

Vale a pena citar que a IMC somente publicaria o jogo em tal país se não houvesse qualquer outra forma de isso acontecer por terceiros. Não há como negar que a empresa ainda é nova e ainda tem muito de aprender a respeito do mundo dos MMOs, já que ela possui apenas 3 titúlos em seu catálogo de MMOs. São eles: Granado Espada (Lançado em 2006, publicado por empresas como: K2 Network para os Estados Unidos e EuroGamez para a Europa) , Wolfknights, que ainda está em fase de testes e Tree of Savior, que ainda não foi lançado, mas possui já contrato com duas publicadoras (Changyou para China e Nexon para a Coreia do Sul)

O fato dela já ter assinado contratos com publicadoras comprova que ela têm confiança no trabalho das mesmas, porém todos sabemos que a IMC Games é uma empresa que dá um valor muito grande nas opiniões dos fãs, então sabemos que além da publicadora, a IMC Games também estará por dentro da comunidade ouvindo dicas e reclamações.

Por fim, um erro de pensamento muito grande que percebemos, foram alguns casos como a sugestão de empresas como a Blizzard, Riot e mesmo a Steam publicar o jogo.

Tanto a Riot como a Blizzard são produtoras com capital suficiente para publicar seus próprios jogos, seja a Blizzard por conta de seu recorrente sucesso com seus jogos desde a era 16-bit, consolidando seu império nos PCs, quanto a Riot com seus imensos financiamentos por mega empresas multinacionais como a Benchmark Capital e a Tecent. Ambas são focadas apenas em seus próprios jogos que já geram lucro o suficiente para suprir todas as necessidades da empresa, nunca tendo dado indícios de publicação de jogos de outras empresas.

O caso da Steam é um pouco diferente. A Steam é uma loja virtual que facilita tanto a venda como a disseminação de um jogo, seja ele online ou offline. Ela não dispõe de servidores e sim de serviços de venda, tanto que até mesmo seus próprios jogos (produzidos pela Valve, como Team Fortress e CS:GO) são disponibilizados por servidores da Valve. Tomem como exemplo o próprio Ragnarok Online 2, ele está presente na Steam, mas todo sistema é da WarpPortal, assim como os servidores.

Facilidade na compra de Cash Fãs acreditam na facilidade da compra de CASH com o jogo sendo distribuído no Brasil, posto que nem todos possuem cartão internacional etc

Esse tópico é quase que auto-explicativo, posto que nem todas as pessoas possuem idade, renda ou qualquer que seja a situação, para ter um cartão internacional para esse tipo de uso. Ter um ou mais modos de pagamento para que o CASH seja adquirido dentro de território brasileiro por meios já conhecidos, como boletos, cartões de débito/crédito etc, facilitam e ajudam a mais jogadores adquirirem seus produtos.

Valendo ressaltar que em ambos os casos, temos cálculos e taxas de juros aplicadas aos valores, mas tendo meios nacionais de pagamentos, nos livramos do cálculo de conversão do dólar que geralmente se mantém mais caro, encarecendo os produtos comprados. Esse caso já irá variar se o dólar estiver em alto ou em baixo valor.

Algumas das preocupações que mais se destacaram em nosso ultimo artigo também foram:

Sistema anti-hack Sistema funcional contra programas maliciosos (hacks e bots)

Ao que tudo indica, esta tem se mostrado a preocupação mais alarmante da comunidade.

Grande parte dos jogadores sentem um grande desconforto em sua experiência de jogo, quando se deparam com pessoas má intencionadas usando programas externos para criar vantagens. É desanimador encontrar alguém que dispõe das mesmas capacidades, e mesmo assim escolhe utilizar de vantagem discrepante para beneficio próprio ou para prejudicar outrém.

É natural esperar que a desenvolvedora (junto à publicadora) procure a melhor solução para combater ou mesmo amenizar a presença de jogadores mal intencionados, seja com sistemas anti-hack/bots eficientes ou mesmo por parte da distribuidora que deve estabelecer uma forte presença ingame e que conduza investigações para punir tais jogadores, pois uma preocupação recorrente da comunidade é no caso de não possuir um sistema anti-hack eficiente, do qual ocasiona em uma infestação de jogadores tóxicos(compondo uma parcela significativa de hacks ou bots). Imaginar que exista uma maneira perfeita de combater hacks/bots é um pensamento utópico, visto que, da mesma maneira que os anti-hacks, os hacks/bots também irão se atualizar.

É muito importante que a comunidade dê suporte à publicadora, denunciando e acompanhando o bom funcionamento dos sistemas anti-hacks presentes no jogo. Este tipo de colaboração pode fazer toda a diferença na qualidade do serviço prestado pela publicadora, melhorando assim a experiência do jogador.

pay to winItens exclusivos de CASH que tornariam defasado/desbalanceado o gameplay entre players pagantes e não pagantes. (O famoso Pay to Win)

Outro tópico que teve todos os holofotes e sempre terá é o “Pay to Win”, que nada mais é o modelo de jogo que causa mais desgosto aos jogadores brasileiros.

Basicamente, um jogo “Pay to Win” (ou “P2W”) é um jogo em que, geralmente, se é livre para jogar (Free to Play), mas contém uma loja especial de Cash em que os itens podem ser adquiridos com dinheiro verdadeiro. O grande problema desses tais jogos é o fato de que, você é livre para jogar o quanto quiser, mas ao decorrer do tempo o próprio jogo acaba fazendo surgir a necessidade de comprar itens de Cash para que sua experiência não seja arruinada, seja por comprar itens inacessíveis por meios gratuitos, servidores especiais etc.

Muitos jogos hoje em dia infelizmente adotam um modelo “p2w” talvez pelo fato de precisarem recuperar mais rápido todo dinheiro investido na produção do jogo e, a partir do momento em que pessoas estão dispostas a pagar por isso, a economia do jogo está construída. É interessante citar alguns exemplos isolados onde os jogadores não se incomodam ou mesmo aceitam e aprovam o modelo, como na China. Os jogadores chineses não aparentam se importar em comprar itens pagos para melhorar sua experiência no jogo, o que nos remete a entender que nos diferentes países os modelos se modificam de acordo com a cultura de tal país, seja pelos baixos custos por conta da moeda chinesa ou pela facilidade que se tem de comprar seja o que for na China, o que é totalmente o contrário da situação que vemos aqui no Brasil. Já estamos  cansados de saber que o modelo P2W não funciona por aqui, então cabe também aos jogadores mostrar para a desenvolvedora e publicadora como a economia do jogo deve se comportar para se manter estabilizada.

Exclusivamente, a decisão de ter itens de cash ou não é da desenvolvedora do jogo e ela estipula os valores iniciais de seus itens compráveis. Quando certo jogo passa a ter servidores espalhados pelo mundo por meio de publicadoras, os preços dos itens são discutidos internamente entre a desenvolvedora e a publicadora e eles estipulam um valor que seja adequado tanto para o bolso do usuário quanto para o lucro da publicadora e da desenvolvedora. Como a publicadora geralmente se encontra no país que pretende publicar e está ciente da cultura e da economia de tal país, é ela quem trata de discutir o preço convertido para a moeda de tal país e repassa os valores convertidos para a desenvolvedora, para juntas discutirem o preço final.

Esse assunto porém, ao que tudo indica é o que menos haverão preocupações por parte do serviço, já que o próprio criador do jogo (Hakkyu Kim) já citou várias vezes repudiar o sistema “P2W” e que está focado em proporcionar uma diversão justa e igualitária para todos os jogadores, seja para os que pagam e para os que não pagam.

Suporte aos jogadores Suporte aos jogadores

 Por fim, este é mais um grande pilar das reclamações que o público faz das publicadoras. O suporte falho é crítica recorrente entre a comunidade, seja por negligência, ineficiência ou quaisquer outros fatores.

Nós mesmos da equipe, por mais que tenhamos feito pesquisas, nos questionamos sobre como as empresas entendem essas reclamações e por que de fato elas ocorrem. Afinal, o que cabe e o que não cabe a empresa neste quesito? É difícil dizer, ainda mais quando se trata de uma grande quantidade de pessoas mandando reclamações ao mesmo tempo.

É bom ressaltar que as empresas têm a obrigação, por lei, de ter um suporte ao usuário, mas a maneira em que funciona esse atendimento pode variar entre as empresas. E pesquisando mais a fundo sobre essas empresas que estamos propondo nesse artigo, em todas elas seus respectivos sites possuem sistemas de suporte ao usuário e FAQs, só não sabemos responder a fundo como cada uma trata seu sistema de atendimento de reclamações.

 

Por fim, concluímos dizendo que toda discussão que esse artigo gerar deve ser feita baseada na leitura minuciosa do mesmo.

Enviaremos emails para as publicadoras que citamos no começo da matéria com esse artigo e também faremos perguntas para elas a respeito dos tópicos aqui citados na esperança de que as que tiverem interessadas em publicar o jogo por aqui possam nos responder. Se conseguirmos o contato com algumas dessas empresas, um próximo artigo será feito cobrindo tudo que nos foi dito por elas.

As publicadoras para as quais enviaremos a matéria são as seguintes:

  • Hoplon Infotainment
  • Playspot
  • Level Up Games
  • OnGame
  • AeriaGames
  • Global Games

Sobre admin

[fbcomments]

13 comentários

  1. Não tenho conhecimento sobre sistemas de anti hack/bot, mas a ideia de neffar itens ao serem vendidos e/ou não ser possível vender certo itens, ajudaria muito na economia dentro do jogo.

    Sou o tipo de jogador esporádico, então itens de cash, principalmente de xp e buff de atributo são indispensáveis. Jogo free e itens por cash é a melhor combinação.

    Acho a ineficiência em resolver problemas a maior falha do suporte com os jogadores.

  2. A Level Up! certamente é a distribuidora mais famosa, o que já seria vantajoso principalmente por questões de marketing e propaganda do jogo. Mas vale ressaltar que a LUG errou feio no Ragnarok. Como já foi dito numa matéria deste site, a LUG possui cerca de 10 anos de experiência (corrijam-me se estiver errado) no ramo dos mmos e como uma empresa séria, esperamos que ela aprenda com os erros.

    Ragnarok foi um sucesso absoluto e continua sendo até hoje. Para se ter uma ideia basta observar que existem servidores privados (“piratas”) de BRO que tiveram/tem vida mais longa do que muitos servidores originais de outros mmos. O erro em questão trata-se da abertura do servidor gratuito (Thor), talvez uma tentativa de trazer jogadores dos servidores privados para os da LUG – lembrando que a legislação brasileira não prevê o uso de engenharia reversa utilizada nos servidores privados como crime (não sei porque o fato de utilizarem uma marca registrada – Ragnarok – não é o suficiente para a justiça fechar os servidores).

    Mais especificamente, o problema não foi o servidor gratuito em si, mas a mudança drástica que significou a abertura do Thor num sistema que funcionava por pagamento de mensalidades há anos. Ao que parece, por uma questão de justiça, para haver um diferencial entre quem pagava mensalidade e quem começaria a jogar gratuitamente, fizeram alterações bizarras no servidor gratuito de tal modo que o jogo neste servidor para quem não comprasse ROPs (cash) perdeu o sentido… pay2win é um termo leve para definir o que o servidor Thor se tornou.

    Compreendo perfeitamente a necessidade de existir itens cash em servidores gratuitos, mas a partir do momento em que retiraram drops de MUITAS cartas e equipamentos com slots, Ragnarok (no servidor Thor) perdeu totalmente seu propósito. O grande diferencial do Ragnarok é o fato de que o jogo não precisou de muitas quests pra fazer ser um enorme sucesso, ele se resume basicamente a grind e estudo para a construção de uma boa build e os jogadores o faziam com a maior alegria porque mesmo monstros fracos tinham a possibilidade de dropar itens valiosíssimos – fator que tornava o pay2win no jogo praticamente inexistente. Qual o sentido de jogar em um servidor gratuito para ter de gastar cash numa carta Poporing? ou ter de matar um MVP pra ter uma chance de 1% de pegar uma Vembrassa [1] que no original dropa de uma simples Pupa? E pegar itens que antes dropavam de MVPS somente por ROPs?

    O Thor foi uma propaganda enganosa pior do que a feita no Dofus. Dofus apresentava-se como um jogo free2play na hora do download mas após 1 ou 2 horas de jogo vc simplesmente não avança no jogo sem fazer o upgrade pro respectivo pacote premium. Rapidamente vc decidia se iria investir no jogo ou se o desinstalaria. O Thor é pior…. o servidor possui um rate maior de xp permanente e até os jogadores perceberem que sem ROPs mal da pra ter um midgame jogável – sem parecer que seu personagem está uma porcaria mesmo com a build correta – já se passou MUITO tempo.

    Concluindo: o servidor Thor nunca deveria ter existido, quem jogou nele e foi esperto ou optou por investir no Odin ou simplesmente desistiu do jogo. Claro que existem também os players que não estão nem aí para balanceamento e, apesar de investirem no jogo, preferem jogar num servidor free2play para se tornarem jogadores top com menos concorrência – e gostando ou não, eles apenas estão exercendo seus direitos. Uma mudança que teria sido muito mais interessante seria o free-trial limitado por level no Odin ao invés da abertura do Thor. Algo similar ao WoW – free2play até o nível 20 se não me engano.

    Obs: a pequena crítica feita ao jogo Dofus não está direcionada a LUG, uma vez que experimentei o jogo antes dele ser distribuído pela empresa.

    Desculpe pelo texto gigantesco e obrigado pela atenção!
    Gostaria de lembrar que é apenas a minha opinião, sinta-se livre para apontar erros e criticar, mas não esqueça a boa educação!

  3. Sou completamente contra Cash abusivo, aliás como a maior parte do cash como ele é feito atualmente, não sei se atualmente é viável economicamente para as empresas, mas acho que uma mensalidade ao invés de cash me parece mais interessante. Lembro da época em que o Ragnarok Online funcionava assim, e na minha opinião foi a melhor época dele, pois além de colocar todos os players em igualdade, ele indiretamente diminuía a quantidade de bots no jogo.

  4. Um sistema de cash que eu acho super eficiente é o do TERA. Na loja de EMP (Cash do TERA) você só encontra itens utilitários como bônus de exp temporário, montarias (oferecidas gratuitamente em inumeras quests do jogo, as de cash só são diferentes), skins para classes, slot extra para criação de personagem, mais slots no armazém e coisas do tipo. Eu acho essa forma muito válida pois ela não impacta a conta de quem compra de uma forma que se sobressaia em relação a outros jogadores. Os itens vendidos são extremamente opcionais visto que tudo ali pode ser conseguido com uma certa dificuldade gratuitamente apenas jogando o jogo, ou seja, compra quem tiver pouco tempo pra jogar e não quiser gastar o tempo de jogo com quests pra ganhar essas coisas.

    @Andre

    Jogo no Asgard atualmente e nunca pisei no Thor mas só de ver os comentários no fórum e as coisas que os jogadores de lá pedem no tópico de sugestão de itens já me faz ver o tipo de coisa que rola naquele servidor, nunca passarei por lá, no dia que o Asgard fechar, partiu Odin hahahaha.

  5. Concordo com tudo q o André disse, e ainda acrescento q a LUG em si falhou em tolerar demais os casos de bots e hacks q desde a época de chaos, loki e iris, tinha jogadores conhecidos por usarem bots, jogadores q exploravam bugs no jogo a rodo, alguém aqui é da epoca da mafia da valquiria ?

    Uma outra coisa q a LUG deixou mto a desejar foi os servidores instáveis q se tornaram os de ragnarok, depois dos lançamentos dos novos jogos, pois antes se podia jogar WoE lisa mesmo de internet discada, e após os lançamentos de The Duel, GC e RF online, a qualidade dos servidores de rag cairam mto, fazendo um mass quit em epocas q o lag era impossivel jogar sem tomar DC….

    Então o minimo q a empresa q for ter os direitos do TOS terá q fazer é ter servidores estáveis com o minimo de lag possivel, o resto a comunidade absorve sem problema.

    • Muito bem lembrado Rodolfo… não abordei questões de hack/bot e qualidade dos servidores porque o texto ficou enorme apenas com a crítica ao servidor Thor. Concordo com suas críticas também… um dia desses fui logar no Warface e havia um comunicado falando sobre problemas de conexão com o jogo causado por um problema nos servidores de Assault Fire (lol servidor de um jogo interferindo no acesso do outro). Realmente é necessário uma atenção maior ainda quando se tem vários jogos de renome para administrar…

  6. Bem eu como jogo Guilds war e Diablo ambos de publicadoras diferente eu prefiro o servidor pago, por seguintes fatos, sé o serv tem um problema e imediatamente resolvido, Bot e Hacks são bem dificil de ver, e quando tem um e ban imediatamente. Bem pode ter cash sim pode ter pensem comigo, sé vc joga free vc não esta ajudando o servidor, agora comprar cash ou pagar mensalidade, vc ajuda muito mais, agora o player que não ajuda o serv em nada, quer comparação com player cash? Me poupe né, sabe oque eu tenho a dizer sobre player que só usa e não ajuda, senta e chora nenem.

  7. Referente ao Cash ou mensalidade : Pelo que me lembro bem o Ragnarok Br Odin
    Tinha como propósito a mensalidade que de fato não diferenciava muito os players
    mas sim motivava você a ter direito a certos npc’s que facilitavam um POUCO a sua vida
    e ao famoso @autotrade onde você quando não quisesse jogar mais ou mesmo ia dormir
    deixava seu mercador com seus itens a venda com habilidade ”mercado” onde abria uma loja
    sua onde outros jogadores podiam com mais facilidade encontrar itens e compra-los de você
    . isso que motivava a grande maioria dos players . eu gostaria que tivesse isso novamente
    ao invés de você pagar por uma espada com atributos ”Fodões onde você fica destacado”
    a igualdade também faz parte de uma sociedade . Quem Jogou por anos o Br Odin sabe oque falei.

    • Bom, antes mesmo dos 3 servidores originais (chaos, loki e iris) o jogo era super Igual em termos de oportunidade, veio rops, mas apenas equipamentos q nunca eram melhor q itens de bosses. Eu nunca joguei no Thor, mas eu sei q ele foi feito pra ser p2w, coisa q o jogo sequer foi feito pra ser naquele nv, mas se a lvup fez a gravity permitiu toda a alteração no jogo tirando cartas e itens bobos como asa de mosca e borboleta, Então acredito q vamos infelizmente depender da empresa q nos for oferecer o serviço e que ela sendo a lug ou n, nos de o serviço mais justo e menos problemático.

  8. Bem, primeiramente, peço desculpas, cheguei um pouco atrasado nesse rolê, rs.
    Olá à toda a galera da Tree Of Savior BR e à todos os jogadores de Ragnarök desde a memorável época onde havia paz em Morroc! Desde já agradeço pela oportunidade de expor meu pensamento sobre o assunto.

    Como um grande fã de Ragnarök e ainda com vontade de voltar a jogar aquele maldito jogo viciante e enjoativo ao mesmo tempo, venho expressar minha opinião sobre este polêmico assunto no qual o The_XD mesmo referiu como: Publicadoras. Para facilitar tanto para mim quando para cada um que estiver disposto a ler a minha opinião sobre esta questão, vou seguir o exemplo do The_XD e divergir meus pontos de vista por tópicos. Peço também que aos que se interessarem pelo meu conceito pessoal sobre o assunto e lerem até o final, entendam que hora alguma visei esta conclusão sobre o assunto de um forma egoísta e negligente, afim de interpor meus interesses pessoas em qualquer alusão relacionada ao ToS. Apenas desejo para o Tree of Savior os mais fiéis jogadores, sendo indiferente com as muitas dificuldades e transtornos em que nós, brasileiros, podemos passar com ou sem um servidor nacional. Então de uma forma ampla, detalho aqui meu enfoque, e muito provavelmente vou abranger mais de um tema em quando discorrer sobre esse dilema.

    Então sem mais demora nem delongas, vamos ao que interessa!

    Ping e Lag:
    Acho que os problemas conseguintes de Ping e Lag, serão inevitáveis, hora ou outra sempre acontece, talvez devido ha algum problema na conexão ou algo ainda mais simples. Mas mesmo assim não serão problemas tão relevantes à quem tem uma velocidade de internet um pouco mais eficaz. Eu sei, é chato isso, como se negligencia-se muitos que também são fãs de Ragnarök que estão animados com o lançamento do jogo mas que não tem uma velocidade muito acessível para espairecer sem nenhum problema desse gênero. Mas infelizmente esta é uma realidade do Brasil, tem coisas que simplesmente se pode esperar, e certamente Tree of Savior é um jogo que está longe de ir para frente se for aguardar este país fornecer à todos os seus cidadãos, uma rede telefônica/internet que não seja vergonhosa, condições de vida que não sejam tão desiguais que cheguem a me causa repugnância, e principalmente que consiga se levantar uma publicadora que não seja mercenária e asquerosa, como a Level Up! Games, rsrs.
    Bem, e sobre ter experiências em servidores internacionais, conheço verdadeiros fãs de vários MMORPG’s que não acharam problema algum ao jogar num servidor não nacional, tornando ainda mais ávida as competições entre Clãs, tornando ainda mais interessante a miscigenação cultural, conhecendo pessoas de outros países e compartilhando idéias e desenvolvendo pouco a pouco um novo dialeto, mesmo que seja de forma não intencional. O que é importantíssimo para o desenvolvimento não só do jogo, mas também do jogador em si, pois um grande exemplo, é ir para a faculdade e deparar-se com incontáveis conteúdos disponíveis apenas em outras línguas. O brasileiro tem o costume de se acomodar perante a facilidade, e portanto, acho esta, uma facilidade desnecessária.

    Suporte e Idioma:
    O real problema nesse quesito são as publicadoras, e tenho certeza de que ”N’s” blogs e vlogs iram fazer como já fazem papel de suporte entre os jogadores muito melhor do que muitas distribuidoras de jogos por ai. E como já citado antes pelo The_XD, nem todos os jogadores tem um conhecimento amplo numa língua estrangeira como o inglês, por exemplo, mas mesmo assim muitos já conhecem o básico do básico, e conseguem se virar muito bem com isso, por mais incrível que para muitos pareçam. Sinceramente acho muito arriscado e quase certo de uma Level Up! da vida conseguir mais uma vez a proeza de me desculpem o termo, ”cagar no pau” e mostrar-se mais uma vez incompetente e venal com seus jogadores, jogadores dos quais vez alguma mereciam ser negligenciados de tantas formas, quanto das muitas, que por incontáveis vezes, se mostrou fútil constatar um problema afim da publicadora intercede-lo e repará-lo. Problemas dos quais muitos derivavam do simples motivo de haver um servidor nacional terceirizado pela distribuidora.

    Adaptação e Cultura:
    Certamente este é outro ponto chave nessa questão.
    Vamos analisar e fazer uma analogia buscando uma concordância justa entre os jogadores tanto de Ragnarök quanto de outros jogos que vieram antes de Tree of Savior. Vejamos, com sinceridade, quem é que não ama aqueles eventos especiais que acontecem nos jogos nas datas comemorativas do nosso país?! Uma semana inteira de ”XP” dobrada, itens especiais, cartas únicas, e eventos inesquecíveis que não voltam nunca mais. Bem, adorava isso no Ragnarök, e até hoje tenho vários equipamentos e itens de eventos na Kafra e no inventário. Mas garanto que muitos já esperaram longas datas pela vinda de itens especiais e de eventos que só aconteceram nos servidores internacionais, e que por sorte talvez, essa esperança muitas vezes foi obliterada com as atualizações semanais. Ao meu ver, com a abertura de um servidor nacional, também abre espaço para uma barreira entre o convívio com os jogadores de outros países, atrapalhando assim um desenvolvimento das capacidades de cada jogador com cada um de seus personagens, desagregando assim aquela velha e primordial competição entre jogadores, grupos e clãs, que inegavelmente incontáveis vezes ascende no âmago de cada jogador, seja uma competição boba entre amigos, seja um miserável Ranger com seus ataques a distância no PVP, o espírito competitivo que induz o jogador a provar seu próprio valor naquele jogo, é algo natural do ser humano, um instinto que é revivido em diferentes competições. Veja, um brasileiro ganhar de outro é algo rotineiro, agora meu caro amigo, eu garanto pra você que ganhar de um fdp de outro continente é algo muitas vezes infernal! Ainda mais quando se trata de clãs, ou no mínimo uma rivalidade entre times. Um exemplo disso? Vai saber mesmo só quem jogava DotA pelo garena e escolhia a Rússia como servidor, ehauehauehau, aquilo era masoquismo puro meu brother!!! xD
    Concluindo esta linha de raciocínio, de datas comemorativas, o Brasil, já está cheio, vamos dar espaço também pra conhecermos então um pouco mais das culturas estrangeiras que são tão ricas e fascinantes quanto a nossa! E não é necessário aguardar os eventos especiais que ainda virão em Tree of Savior por exemplo, pois garanto que muitos dos jogadores quem anseiam o lançamento do jogo se lembraram bem do nome ”Yggdrasil”, não é? E ai?! Conhecem um pouco da cultura na qual este nome vem? Rsrs.

    Cash:
    Certamente o mais simples e problemático dilema de qualquer jogo on-line, vejamos, simples por que? Fácil, porque se no jogo não houver a necessidade da posse de cash para se conseguir alguns itens específicos seria muito melhor, World Of Warcraft é um genuíno exemplo disso, mas mesmo assim o WOW é pago um valor mensal, fora suas expansões. Poxa, mas se o Tree of Savior também seguisse o mesmo exemplo? Com o Dolar a 3 e tanto, a mensalidade do jogo ficaria quase R$ 50,00, um absurdo, quase quatro vezes mais cara que o custo da mensalidade do servidor original de Ragnarök BR(o server Odin). Bem, esse é o lado problemático desse dilema, porque seria um puta de um problema pra mim, pro meu bolso, e principalmente para as minhas incontáveis loiras juntamente com minha amada elfa(e.e).
    Bem, ainda sim, não é difícil de achar um ponto de vista menos…pejorativo, digamos, pois se o jogo for Free to Play e mesmo assim houver o sistema de cash de uma forma não excessivamente mercenária, tudo bem, justo, afinal o jogo necessita de capital para se manter, confesso ser um pouco difícil de comentar sobre esse ponto, mas ao meu ver sairia mais em conta para nós brasileiros um sistema de cash como já estamos acostumados no Ragnarök original, só que por um servidor internacional. (Boa sorte para aqueles que não tem cartão de crédito e.e).

    (Pqp, eu perdi o meu junto com a minha carteira e agora…? x.x)

    Comunidade:
    Bem, falei bastante sobre esse tema nos temas anteriores, então só para complementar, acho que o real problema nesse quesito é como já dito o xenofobismo, mas nós brasileiros temos graduação +15 na perícia ”zueira never ends” e certamente não nos abateremos muito com esse problema tão rotineiro quando um lag. Afinal esse problema deriva mais de duas coisas, da sorte do jogador(ou azar, como preferirem) e do nível de zueira de cada BR HUE HUE que estiver jogando ToS.

    Marketing:
    Tree of Savior é um jogo que ainda nem foi lançado, estamos aguardando agora a chegada do Close Beta 2 e já tem muita gente animada pra jogar. Sinceramente, não acho a pior coisa do mundo o game não ser divulgado nacionalmente através de uma distribuidora de games por exemplo, pelo menos nesse ano. Qual é, certamente nem todos sabem, mas ainda a melhor forma de propagar algo, é por meio de diálogos, e se tratando de um jogo on-line, a internet é a forma mais rápida para os próprios jogadores divulgarem seu jogo, páginas no facebook já agilizaram isso, imagine só se ninguém houvesse criado page alguma, bem menos pessoas teriam ouvido falar do ToS. E também, acho interessante a fase inicial do game ”ao modo antigo”, digamos assim, sem ”superlotação” como é o caso do servidor Thor.
    E quem sabe com sorte, a IMC Games faça como a Blizard, e acabe facilitando nossas vidas assim como a Blizard facilitou a de mitos brasileiros traduzindo World Of Warcraft.
    ______________________________________________________

    Enfim! Este é uma boa parte do que gostaria de dizer sobre esse assunto tão polêmico! Rsrs.
    Novamente digo que sou realmente grato a esse espaço que vocês da Tree Of Savior disponibilizaram para todos os que estão interessados e ansiosos pelo lançamento de ToS. Toda a equipe está fazendo um trabalho fascinante e merecem total respeito por isso. Isso é muito bacana da parte de vocês! Achei essa page ontem e não sei o que diabos pretendem, mas estão no caminho certo, pois onde as pessoas discutem seus pontos de vista visando um senso justo e honesto, é onde a democracia vive e onde a solidez se enfurna.

    Parabéns à todos! Tree Of Savior Brasil, uma comunidade de valor!

    Forte abraço!
    #The_Dwarf

    ______________________________________________________

    ”Baruk khazâd! Khazâd ai Mênu!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*